Calor Na Menopausa: Qual o Tratamento Correto?

Devo Tratar a Menopausa?

calor na menopausa

Por que tratar a menopausa? É possível diminuir o calor na menopausa? Muita gente tem dúvida disso, mas porque elas têm dúvida num assunto como esse?

É muito simples, apesar de toda a evolução que teve a medicina ainda não está muito claro para algumas pessoas se a menopausa é um fenômeno evolutivo natural, ou seja, se é fisiológico ou se é uma doença.

Isso faz toda a diferença, e a pergunta a ser feita é a seguinte, o que está na cabeça do seu médico? Como é que ele encara a situação da menopausa? Como uma evolução natural ou como uma doença, e como tal, precisa ser tratada?

Imagine a seguinte situação de uma mulher que vive aproximadamente 80 e 90 anos e ela parou de menstruar e entrou na menopausa aos 45 anos de idade.

Essa mulher fica metade da vida dela sem hormônios, na melhor das hipóteses ela vai ficar um terço da vida dela sem os hormônios e esse impacto na vida dela pode ser devastador com todo aquele calor na menopausa entre outros sintomas.

calor na menopausa

As mulheres de uma forma geral são mais preparadas para a sobrevivência do que os homens, elas têm mais resistência à dor, tem mais tolerância à dor e elas têm mais resistência à sangramentos e boa parte desse diferencial da mulher em relação ao homem é dado pelos hormônios.

Acontece que quando a mulher entra na menopausa boa parte dessa proteção se perde e ela passa a sentir frequentemente aquele calor na menopausa e pode, por exemplo, vir a enfartar tanto quanto os homens.

E outra coisa importante, e que é bom a gente lembrar, é que a queda hormonal na mulher caracterizada pela menopausa é muito mais abrupta do que no homem que geralmente acontece de forma muito mais lenta e muito cadenciada.

Então é importante lembrar que toda conduta em relação à menopausa vai depender da interpretação desses conceitos, ou seja, o que é que você pensa e o que você sabe sobre isso para tomar a melhor decisão a respeito da conduta da menopausa.

Ficou com dúvida?

calor na menopausa

Porque Você Precisa Tratar a Menopausa?

calor na menopausa

É muito comum algumas mulheres dizerem que a menopausa já passou e que já não sentem mais nada e que por não sentir mais o calor na menopausa, não precisam tratar disso. Será que é verdade? É isto que vamos ver agora.

É muito comum as mulheres chegarem aos consultórios queixando de problemas relacionados com a alteração da pele, a queda de cabelo e a problemas de libido.

E tem mais, não é só isso, elas se queixam de que estão ganhando excessivamente peso, de que estão em depressão, que têm muita dificuldade em gravar coisas, problemas relacionados à memória, tem dificuldade de concentração e tem uma irritabilidade acima da média.

Durante uma entrevista, é investigado melhor tudo isto e se percebe que elas já não têm menstruação há muitos anos.

E quando o médico questiona a mulher sobre isso algumas dizem, ”ah eu não tive problema nenhum na menopausa, já passou, não sinto mais aquele calor na menopausa como antes”, mas a questão não é essa.

Vamos entender uma coisa, como é que a menopausa passou? Mas vamos primeiro relembrar o que é a menopausa do ponto de vista fisiológico.

Bom, os ovários produzem hormônios durante toda a vida reprodutiva da mulher e quando a mulher chega aproximadamente aos 51 anos de idade, essa é a média da mulher brasileira, ocorre à falência dos ovários, ou seja, eles não conseguem mais produzir esses hormônios.

Então quando essa mulher atinge um período de 12 meses após essa parada da menstruação é fechado o diagnóstico de menopausa, ou seja, o diagnóstico de menopausa é um diagnóstico retrospectivo.

Então a única forma da menopausa ter passado, já que a menopausa é decorrente da falência da produção de hormônios, é se os hormônios voltarem a ser produzidos.

O problema é que isso não acontece, então se isso não acontece, ou seja, se os ovários não voltam a produzir hormônios, a menopausa não passa.

calor na menopausa

O que passa são alguns dos sintomas relacionados à menopausa, principalmente os chamados sintomas vasomotores, que são aqueles fogachos, aquele calor na menopausa intenso, a sudorese noturna onde a mulher acorda suada com falta de ar e aquela sensação de ansiedade e desassossego.

Isso realmente pode passar, mas mesmo que a mulher não tenha mais estes sintomas ou que nunca tenha tido esses sintomas, não significa que o corpo dela não sente falta dos hormônios que ela produzia quando ela tinha 20, 25, 30 anos de idade.

Apesar destes sintomas estarem associados à menopausa, ela não está ligada somente aos sintomas.

Na verdade a menopausa está ligada a todas as alterações que ocorrem na fisiologia da mulher relacionados à mudança do seu padrão, do seu perfil hormonal.

Vamos rever alguns conceitos básicos.

Primeiro, toda mulher passa pela menopausa, a não ser que ela morra antes. Mas o fato dela não sentir esses sintomas não significa que o corpo dela não está sentindo, por exemplo, não significa que osso não sente falta de hormônio e a osteoporose acabe evoluindo.

Se somente o cálcio resolvesse o problema da osteoporose, essas medicações que vendem nos comerciais de televisão, até mesmo por correspondência, resolveriam todos os problemas.

Mas a osteoporose continua evoluindo porque, mesmo com o cálcio, com a falta de hormônio ele não consegue ser absorvido de forma adequada.

Outra coisa que acontece é a alteração do metabolismo, com a falta do hormônio mesmo que ela não tenha sintomas, não significa que o metabolismo da mulher não sente essa falta.

Por isso que ela tem alteração de peso, então de uma forma ou de outra o corpo da mulher está muito diferente daquele formato que ela tinha antes de ocorrer a menopausa.

A pergunta é, o que fazer para que essa fase da vida da mulher seja tão produtiva, seja tão eficiente, seja tão boa quanto nos anos anteriores onde ela tinha a produção hormonal adequada e acabar com o calor na menopausa.

calor na menopausa

Será Que Já Estou Na Idade da Menopausa?

calor na menopausa

Existe uma causa da menopausa? Afinal de contas a menopausa é uma doença ou é um fenômeno evolutivo natural, ou seja, apenas um fenômeno fisiológico.

É sobre isto que vamos tratar agora.

Primeiro vamos a uma definição e conceito nessa situação toda.

Sob o conceito geral a menopausa é um fenômeno fisiológico, ou seja, ocorre naturalmente com toda mulher, é só uma questão de tempo.

Por outro lado a menopausa está classificada sobre o CID N95.1, CID significa Classificação Internacional de Doença, ou seja, sob este ponto de vista é considerada também uma doença.

E se é alguma doença, ela tem obviamente alguma proposta ou algum tipo de tratamento e vamos discutir isso um pouco mais à frente.

Então se é considerada uma doença, qual seria a causa dessa doença?

Bom de uma forma geral, a causa primária da menopausa é o envelhecimento dos ovários.

Os ovários são responsáveis pela produção de hormônios e quando eles envelhecem não conseguem mais produzir hormônios e com a falta desses hormônios começam a aparecer todos os problemas que as mulheres já conhecem tão bem, como o incômodo calor na menopausa.

Então nesse caso a menopausa não teria uma causa específica, é simplesmente um fenômeno fisiológico de envelhecimento de um órgão e consequentemente a perda da função desse órgão.

Mas existe outra situação que temos que considerar que é a menopausa precoce.

E o que é a menopausa precoce?

Na mulher brasileira a média da menopausa acontecer é em torno de 51 anos de idade, e um trabalho realizado em Campinas indica mais precisamente que acontece aos 51 anos e 2 meses de idade, essa é a média.

Quando a menopausa acontece antes dos 40 anos, ou seja, quando ocorre uma falha da produção hormonal desses hormônios ovarianos antes de 40 anos, isto se chama de menopausa precoce, e ocorre em menos de 1% das mulheres.

Mas existem estatísticas que dizem que ocorre em até 5% dos casos.

Nessa situação de menopausa precoce, que não é considerado um fenômeno tão natural fisiológico assim, pode-se discutir algumas causas.

Entre as suas causas e talvez a principal e mais importante, está relacionada ao estilo de vida.

A mulher moderna e o estilo de vida que ela tem hoje é muito diferente da mulher de 20, 30 ou 50 anos atrás.

Então podemos dizer, sem sombra de dúvida, que o estilo de vida é um dos principais fatores.

Isto envolve atividade física, ritmo de trabalho, situações de stress e como que ela lida com este stress, e a alimentação que é realmente algo que têm um peso muito importante.

Por exemplo, muitas atletas profissionais, atletas de esportes de alto desempenho, simplesmente param de menstruar no período de treinamento muito intenso.

Parece que de alguma forma a natureza entende que essa mulher não pode ou não esta preparada para engravidar.

Outras causas da menopausa precoce que vemos e está muito bem documentado na literatura médica, é o tabagismo.

O tabagismo está envolvido em uma série de doenças inclusive cânceres que aparentemente não têm relação direta com cigarro, por exemplo, o câncer de bexiga que também está associado ao tabagismo, mas as pessoas não fazem essa associação direta.

A cirurgia também pode levar à menopausa precoce.

Às vezes a mulher tem um tumor benigno, um mioma, e quando vai operar retira o útero e mesmo que ela deixe os ovários ela pode ter uma alteração da modificação do padrão vascular destes ovários.

calor na menopausa

Ou seja, a manipulação do ovário mexe com a vascularização e isso diminui a fertilidade e altera a produção hormonal dos ovários de forma que isso acaba sendo um fator que pode antecipar a menopausa.

Também tem a laqueadura tubária, existem relatos de que ela apresenta uma influência no desenvolvimento da menopausa precoce.

E até mesmo doenças que não têm uma relação tão clara e evidente com a menopausa, como por exemplo, a doença da tireoide.

A tireoidite de Hashimoto, que é um tipo de doença autoimune da tireoide, onde se ocorre a formação de anticorpos contra a tireoide, também está associada a uma incidência maior de menopausa precoce.

Assim como outras doenças tireoidianas como, por exemplo, a doença de Graves.

O que deve estar claro nessa situação de menopausa precoce é que independentemente da causa, a menopausa precoce deve ser tratada com reposição hormonal.

E qual que é essa reposição hormonal correta e que vai definitivamente te livrar do calor na menopausa?

calor na menopausa

Porque todo mundo sabe, e muitas mulheres têm medo, que reposição hormonal está associada à maior incidência de câncer, então não é qualquer hormônio.

A pergunta é, por que é tão importante esse tipo de tratamento para esse grupo específico de mulheres, ou seja, porque na menopausa precoce é tão importante fazer o tratamento.

Muito simples pelo seguinte, na mulher menopausada antes dos 40 anos de idade, ela tem um risco quatro vezes maior de doenças cardíacas e tem um risco sete vezes maior de osteoporose.

Ou seja, mesmo que a gente desconsiderasse todos os outros aspectos negativos de uma menopausa não tratada, só esses dois fatores, essa maior incidência de problemas relacionados à menopausa precoce, já seria suficiente para se indicar o tratamento.

Mas o tratamento não é feito com qualquer hormônio.

calor na menopausa

Gostou deste artigo? Não esqueça de compartilhar.